Treinamento

image
Acordar todos os dias; trabalhar, estudar, cuidar e se preocupar com a família, com todas as tarefas daquele dia e,mais do que nunca, se preocupar com tudo o que acontece no nosso país, e até em escala global, nos preocupamos com acontecimentos no planeta.
Tudo isso nos deixa não só cansados, fisicamente, mas nossa mente fica estafada.
O advento da tecnologia, aumentou nossa capacidade de comunicação com seres humanos de todo o planeta, porém, aumentou também, nossas ansiedades e angústias.
As redes sociais e a cultura das “coisas” perfeitas dentro das mesmas, nos deixa sempre pensando em quanto somos felizes de verdade ou quantificando, medindo e comparando nossas vidas com a do outro.
Então nos preocupamos com nossas próprias coisas e ainda mais com as coisas dos outros.
A tecnologia é de fato um atributo positivo na vida do ser humano, se utilizada com equilíbrio. Sabemos que para a grande maioria esse equilíbrio não existe.

Alem disso, procuramos um status para suprir uma necessidade constante por preenchimento de um vazio interior.
Isso acontece, pois somos seres humanos. Em algum momento de nossas vidas temos sentimentos como inveja, ciúmes, ou nos sentimos vítimas ou sentimos pelo vitimismo alheio.
Esses sentimentos são inerentes a nós.
Porém sugam nossa energia e quando nos damos conta, já sentimos depressão, falta de motivação, vontade de sumir do mundo. E isso vira uma bola de neve. Onde hora estamos “bem” hora estamos “desmotivados”.
Nos sentimos perdidos, e esse é o ponto onde as coisas começam a dar errado.
Porém continuamos “postando” uma felicidade irreal, pois somos seres humanos e não podemos dar o braço a torcer ou encarar uma derrota.
Mas como faço para não sentir nada disso?
A questão principal não é não sentir nenhum desses sentimentos desagradáveis, mas, como sente e o que você faz com eles quando eles surgem.
Sentimentos são inerentes a nos e nos trazem crescimento e aperfeiçoamento. São como a energia saindo de nosso corpo, de uma forma ou de outra.
Podemos e devemos transformar esses sentimentos em energia positiva, e nunca sentir culpa por nenhum deles.
A culpa e negação de sentimentos ruins só aumentam a intensidade dos mesmos.

“Mas eu sou feliz…”

Esperamos que seja, muitos confundem felicidade com euforia.
Ficamos eufóricos com determinado acontecimento, porém, depois de algum tempo, já estamos novamente com sentimentos negativos.
Para dissipa-los podemos transforma-los. Como as turbinas de uma usina transformam a força da água em energia elétrica, podemos transformar a força de nossos sentimentos em energia positiva e produtiva.
Nossa mente, assim como nosso corpo, deve ser treinada. Assim como iniciamos nosso treinamento corporal de uma maneira gradativa, aumentamos nosso fôlego, nossa força, nossa elasticidade, treinando nossa mente, gradualmente, aumentamos nossa paciência, nossa gentileza, nossa espontaneidade.
Tudo começa com um pequeno passo, uma pequena mudança de pensamento.
Faça um exercício simples:
Primeiro comece agradecendo pela sua vida, pois ela é o seu bem único e é única e exclusivamente de responsabilidade sua. Agradeça por estar vivo e tendo a chance de se aperfeiçoar nesse planeta.
Depois agradeça pela sua evolução diária, por ter conquistado coisas materiais e não materiais. Olhe para você e agradeça simplesmente pela motivação de começar o dia. E se esta desmotivado, agradeça por poder a qualquer momento mudar seus pensamentos.
Nos, seres humanos, por conta de vários motivos que não vou elucidar agora, temos a idéia fixa de que não podemos mudar. Não podemos pensar diferente, mudar de opinião, e se quisermos, mudar de opinião novamente, e voltar atras, pois seremos eternamente reprovados. Afinal, muitas vezes, quando queremos mudar de atitudes, “o outro” não deixa, simplesmente dizendo: “você não é assim.”
Isso causa frustração e constante sensação de não ser quem gostaríamos de ser. E a responsabilidade real nem é do “outro” mas de nós mesmos, pelo simples fato de querermos constante aprovação.
Podemos mudar de pensamento e com treinamento diário da mente podemos realmente ser quem gostaríamos de ser. Apenas agradeça.
A segunda parte do exercício é: sinta-se genuinamente feliz pelo outro ser humano. Compartilhe da felicidade alheia, simpatize, procure pensar que a pessoa merece tal felicidade, não cabe a nos julgarmos se alguém merece ou não ser feliz, então para o seu próprio conforto mental, queira sempre, genuinamente, a felicidade de todos.
Procure realmente escutar as pessoas, esvazie sua mente das comparações com as coisas que acontecem e aconteceram com você e escute o outro. Genuinamente entenderá que não estamos sozinhos em nossas conquistas e problemas.
E esse é o ponto primordial para uma mente mais tranqüila: entendimento.
Entender, primeiro a si próprio, cuidar do seu pequeno universo, depois entender o outro, que na realidade é igual a você e também esta aqui para errar, acertar e evoluir. E por ultimo pratique o altruísmo real.
Pratique gentilezas e elas retornarão para você.
Entendendo, poderá transformar seus sentimentos ruins em pensamentos e ações positivas em prol de você mesmo e dos outros.
Sentira sua mente tranqüila e ficara aberto para felicidade, alegria e sentimentos positivos.
A felicidade genuína aparece quando temos uma mente tranqüila e vazia, pois a busca real de todo ser humano é a felicidade.
Esses exercícios são muito simples de entender, porém difíceis de executar, assim como o treinamento físico não é fácil, o treino da mente também não.
Porém, como nosso objetivo de ter um corpo saudável nos motiva, nosso objetivo de ter uma mente tranqüila também deve nos motivar.
Kung fu se trata disso: aperfeiçoamento do corpo e da mente através de treinamento sistemático de nossas capacidades humanas. Para nos tornarmos seres humanos em sintonia com a natureza e nossos semelhantes.
Kung fu é uma das maravilhosas ferramentas que a humanidade possui para inferir a importante tarefa de treinarmos essas capacidades. Pois nosso veículo (nosso corpo) e o condutor (nossa mente) podem mais do que imaginamos, (nossa consciência) podemos fazer, sentir e construir coisas boas.
Podemos ser quem realmente somos, ser felizes e fazermos os outros felizes.

“Treine seu corpo, seu veículo, deixe ele rápido, forte, saudável, técnico. Treine também seu condutor (mente), leia, estude, pratique, entenda…isso é Hung Gar.”
Mestre Renata B.